Blog

Crise hídrica no Brasil e o potencial da energia solar é tema do FLIPCAST e abre segunda temporada

Em

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou em 31 de agosto, a criação de uma nova bandeira tarifária, a Bandeira Escassez Hídrica. Ela reflete os aumentos de custos de geração de energia em meio à pior crise hídrica dos últimos 91 anos. O que tudo isso envolve? O aumento na conta de luz. E o que isso tem a ver com marketing? E mais, o que a Flip tem em comum com o assunto?

Claro que, além de sentir os aumentos na conta de luz, a gente também está acompanhando as pautas que sempre interferem no bolso do consumidor, com essa variação, diversos outros setores são impactados, elevando ainda mais o custo de vida. A crise hídrica e o potencial da energia solar é nosso 11º episódio do FLIPCAST, que você pode ouvir agora mesmo:

<iframe src=”https://open.spotify.com/embed/episode/1rz0VcflWnrEHyXPlu2yAh” width=”100%” height=”232″ frameBorder=”0″ allowtransparency=”true” allow=”encrypted-media”></iframe>

Com ele, iniciamos a segunda temporada do FLIPCAST. E para debater o assunto, a gente chamou quem é especialista nele: o Márcio Jucewicz e o Fernando Knecht, sócios da empresa de engenharia, Proinst – clientes da Flip.

Pesa no meio ambiente, pesa no bolso

Os impactos ao meio ambiente é tema e prioridade de muitas empresas, neste sentido a energia solar sempre se apresenta como excelente oportunidade de cuidar do bem coletivo e ainda reduzir os impactos financeiros.

Com a falta de chuvas e os níveis dos reservatórios das hidrelétricas muito abaixo do necessário para suprir a demanda, foi necessário adotar medidas excepcionais. As hidrelétricas deixaram de produzir muito e as termelétricas a carvão precisam ser acionadas. Uma das consequências é o encarecimento da energia elétrica, que aumentou 20,09% no último ano, criando um efeito cascata de aumento de preços na economia.

O que muda nesta realidade?

Para você entender de forma prática, com o novo valor da bandeira tarifária, a taxa extra cobrada é de R$14,20 pelo consumo de 100 kWh, valendo desde 1º de setembro de 2021 até 30 de abril de 2022. Antes, o valor cobrado pela mesma quantidade de energia era de R$9,492.

Conforme Knecht, é preciso incentivar as indústrias a pensarem em alternativas diferentes, principalmente nos horários “de ponta”, com maior pico de energia, das 18h às 21h, mesclando com os horários “fora ponta”, onde o consumo é menor.

Consumo, conta e energia solar

A perspectiva para o futuro não é das melhores.  Conforme nota publicada pela Aneel, as tarifas de energia podem subir, em média, 16,68% em 2022. Por isso, o FLIPCAST aborda uma das ótimas soluções no setor: energia fotovoltaica.

De acordo com Jucewicz, com a fotovoltaica é possível gerar a própria energia, DESAFOGANDO a rede de distribuição. Enquanto há sol (durante o dia), há transformação para energia elétrica. O sócio da Proinst ainda explica que é possível creditar energia quando ela “sobra” no seu sistema.

Por exemplo, você utilizará seus “créditos” de energia durante à noite ou deixará esses “créditos” disponíveis para quando houver dias nublados ou de chuvas, por exemplo. Nada se perde, tudo é transformado em energia elétrica para sua família.

Quer saber mais, conhecer e entender os impactos, soluções e melhorias? Então acesse agora mesmo o FLIPCAST no Spotify ou no nosso canal do Youtube e depois venha contar pra gente o que achou. No site da Proinst você também pode fazer uma simulação gratuita da sua conta de luz e planejar as melhorias para 2022.

Vamos juntos?

Gostou? Compartilhe.

Todas as postagens

Flip. Estratégia é tudo.